“Minha corrida é movida pelo amor”, por Paula Menezes

Paula Menezes nunca foi fanática por corrida. Considerava, inclusive, o esporte uma opção para quem não tinha habilidade para outros. Em um congresso, nos Estados Unidos, ela conheceu uma equipe de corrida voltada para uma causa da saúde, sua área de atuação. De volta ao Brasil, Paula abraçou com ainda mais força a causa da Hipertensão Pulmonar e se viu às voltas com os preparativos para a sua Ultramaratona de 75 km. A primeira e última, segundo a história de superação que ela mesma conta em “Minha Corrida”, para o Blog de Corrida. Participe! Mande você também a sua história para: blogdecorrida@gmail.com

 

Por Paula Menezes

A prova de 75km foi em outubro e somente agora, em fevereiro, consegui parar e escrever sobre a minha trajetória. Acho que foi tudo tão intenso e desgastante que eu precisava de um tempo para organizar as ideias.

Todos que me acompanham na Abraf sabem da minha entrega a esta causa. Por mais difícil (algumas vezes, quase impossível) que seja conciliar toda a minha rotina, pessoal e profissional, com a Abraf, sempre que me proponho a realizar um projeto da associação, mergulho de cabeça. E, com o Team PHenomenal Hope Brasil, não foi diferente.

A proposta do projeto era uma loucura: treinar 11 meses para conseguir correr 75km. Olhando para trás, com a experiência que tenho hoje em corrida (pouca ainda, mas intensa), por tudo que vivi, li e conversei com outros atletas, entendo que o processo de amadurecimento para alguém se tornar um ultramaratonista leva muito tempo. Certamente, não recomendo a ninguém seguir o atalho e querer, de cara, tornar-se um ultramaratonista. Não é saudável, mental e fisicamente. Como dizem, a ignorância é uma bênção mesmo.

Apesar de nunca ter sido sedentária, a modalidade “corrida”nunca foi meu esporte. De forma preconceituosa, assumo, achava a corrida a opção do ex-gordinho, que nunca se deu bem com bola, do inseguro, que nunca teve grande aptidão para educação física e, de repente, corre mais do que seus amigos, ou do carente, que não tem sempre uma boa programação para sexta à noite, e arruma uma turminha para correr no sábado de manhã. rsrs Não conseguia entender como alguém fazia tanto esforço pela corrida “por prazer”.

E, como nessa vida a gente paga a língua mesmo, em pouco tempo me vi abdicando das sextas-feiras, das festas, dos encontros de amigos, para o quê? Para correr. Eu, particularmente, sou muito disciplinada e focada em tudo que realizo. Não preciso amar algo para me dedicar a realizá-lo. Quando se trata de uma tarefa necessária, eu não me importo se gosto ou não. Simplesmente realizo. E, claro, com a corrida não foi diferente. Nunca gostei de correr, mas, a partir do momento que aceitei o desafio, eu simplesmente corria e entregava o meu treino. Não vou negar que, conforme vai-se evoluindo, você vai pegando gosto. Mas não consigo afirmar que a corrida virou uma paixão, porque, durante o ano todo, eu a tratei como uma obrigação.

Por conta do alto volume de treinos, em pouquíssimo tempo, me lesionei e tive fratura por stress nas tíbias. Algumas vezes a dor era tão forte que não conseguia nem caminhar. Em uma situação normal, sem pressão, eu simplesmente daria um tempo da corrida para o corpo se recuperar. Mas, com o relógio correndo contra mim, com poucos meses de treino, com os “75km martelando na minha cabeça”, dia e noite, todas as vezes que a dor vinha, eu me desesperava, com medo da possibilidade de não evoluir a tempo do grande desafio.

Para resolver as dores e as lesões, me consultei com todos os especialistas possíveis, tomei todos os remédios do mercado e comprei várias bolsas de gelo para as dores do pós-treino. Eu praticamente vivia entre ortopedista, fisioterapeuta e osteopata. Foram muitas, muitas consultas. Houve épocas em que melhorava e praticamente não sentia dor. Aí me empolgava nos treinos e logo machucava de novo. Essa montanha-russa durou quase o ano todo.

Faltando uns 3 meses para o grande desafio, após várias sessões de fisioterapia no Instituto Osmar de Oliveira, eu me sentia bem melhor. Estava criando confiança novamente e muito focada. Eu contava os dias e planejava quantos km eu tinha que evoluir a cada semana. Com o cronograma era curto, não podia falhar.

Já que alegria de lesionada dura pouco, 10 dias antes da prova, em um treino de 4 horas na USP, senti uma dor estranha e muito forte no joelho (como uma faca entrando na lateral do direita). Acho que você pode imaginar o tamanho do meu desespero. A lesão na tíbia eu já havia aprendido a lidar, mas ganhar um problema novo a 10 dias da prova era muito azar.

Fiquei arrasada e corri para o médico, que me diagnosticou com atrito da banda iliotibial. A solução mais rápida? Injeção de corticoide, anti-inflamatório e fisioterapia. Logo eu, que tenho pânico de agulha (nunca havia tomado nenhuma injeção que não fosse vacina até então), tive que encarar essa. Fiquei na porta da farmácia dando voltas várias vezes antes de entrar, mas, por ser algo tão necessário, me rendi à injeção na reta final.

Minha confiança foi derrubada, mas eu tinha que me manter focada. Fui à fisioterapia todos os dias, treinava na bike e, pouco a pouco, comecei a me sentir melhor. Eu até estava ficando confiante de novo quando, 3 dias antes da prova, senti uma dor no mesmo joelho, mas do lado de dentro. Fiquei em pânico, sem acreditar naquilo. Já não dava mais tempo de fazer uma fisioterapia intensa e o meu médico só poderia me atender na outra semana (aí já teria passado a prova).

Sem saber o que fazer, decidi ir para um hospital me consultar com um ortopedista. O diagnóstico foi tendinite da pata de ganso. O médico era super conservador e ficou uns 10 minutos tentando me convencer a não correr os 75km. Ele me deu um certo sermão, enquanto eu tentava não chorar e ser educada com ele. Mas chegou a um ponto que eu precisei ser clara: “Deixa eu te explicar uma coisa. Eu treinei o ano todo para a prova. Eu tenho uma ligação emocional que não vai me deixar desistir disso agora. Você está perdendo o seu tempo. Eu não vim aqui para mudar a minha meta, mas para tomar algo forte que me dê uma sobrevida imediata para a corrida. Se você não me der, eu vou de hospital em hospital até achar alguém que me ajude”.

Tomei outra injeção e ganhei uma receita de um anti-inflamatório mais potente do que o que estava tomando. Voltei para casa muito triste. Prestes a encarar o maior desafio da vida, eu estava com fratura por stress na tíbia, atrito da banda iliotibial e tendinite da pata de ganso.

Por incrível que pareça, no dia da prova, eu até me sentia melhor. Como estava sem treinar já há uns dias, não tinha dores.

A poucos minutos da largada, eu estava muito nervosa. Simplesmente não acreditava em tudo aquilo que tinha realizado até aquele momento, duvidava um pouco do meu preparo e sabia que as próximas horas seriam muito difíceis.

Lembro do Ricardo tentando fazer graça para mim na largada, mas ele mesmo estava apavorado e acabei rindo do seu desespero. Ele sempre me apoiou durante todo o processo. Nossas conversas infinitas à noite na cama me davam força, quando eu chorava e ficava arrasada por sentir tanta dor e ter medo de não conseguir atingir o objetivo. Ele celebrou cada vitória minha: quando, nos treinos, completei 10km, 21km, 42km. Ele embarcou comigo nessa loucura e foi fundamental, em todas as etapas, para eu não desistir. A empolgação dele com os equipamentos, roupas, provas me dava energia e transformava o processo em algo mais leve. Mas, naquele momento, ele também estava abalado, e apenas um abraço e um beijo bastaram para eu me sentir apoiada.

Finalmente a buzina tocou e partimos. De uma hora para outra, entrei na prova, foquei e já não estava mais abalada com o nervosismo. O primeiro trecho era na areia e achei tranquilo. Na sequência, veio a serra de Maresias, que é horrível, íngreme e longa. Porém, como eu já sabia o que esperar, me preparei para isso: sofri bem menos do que imaginei.

Subidas nunca foram o meu forte. Mesmo caminhando, perco o ritmo. A maioria das pessoas subiu a serra caminhando, para se poupar para o resto da prova. Além do mais, chovia bastante e o chão estava escorregadio.

Subi, subi, subi, até que vi, finalmente, uma placa: “verifique os seus freios”. Foi a M-A-I-O-R alegria, pois isso significava que a descida havia chegado. E na descida é só soltar o corpo ladeira abaixo. Recuperei bastante o meu tempo, descendo mais rápido, atenta ao chão escorregadio, mas sem medo de soltar o corpo. Lembro da música que estava tocando no ipod: “Don’t stop me now”, do Queen.

Como alegria de lesionada dura pouco, ao final da descida, quando dei uma freada para fazer a curva em direção ao primeiro PC (posto de controle), senti uma fisgada muito forte no joelho. A sensação era de uma faca entrando pelo lado de fora do joelho cada vez que eu tentava correr. Ou seja, a mesma dor que senti na USP. Era o atrito da banda iliotibial me atormentando novamente.

Por alguns segundos, fiquei totalmente em pânico. Não podia acreditar que a lesão não tinha melhorado. Tudo bem que fazia apenas 10 dias que estava em tratamento, mas eu vinha me sentindo bem melhor. O que eu não havia percebido é que, na verdade, nos últimos 10 dias, eu já vinha diminuindo muito o ritmo de treino (para poupar o corpo para a prova). Então é claro que eu não sentia dores, pois praticamente corria apenas de forma leve ou caminhava.

Ainda faltavam 65km para terminar a prova e eu já sentia uma dor insuportável. Comecei a pensar o que eu poderia fazer para contornar aquilo e lembrei que o médico havia me dito que o causador dessa lesão é o movimento repetitivo de alavanca da perna. Isso aumenta o atrito e causa a lesão. Ele exemplificou: uma pessoa sedentária faz essa alavanca, por exemplo, 200 vezes ao dia. Uma pessoa que treina como eu faz a alavanca 3000 vezes ao dia. É óbvio que o desgaste é maior.

Com essa informação guardada na cabeça, tive a ideia de evitar dobrar o joelho direito, pois, assim, não faria o atrito e não sentiria dor. Dei os primeiros passos com a perna direita reta e apenas alavancando com a esquerda e percebi que a dor amenizava. Pronto, era assim que eu ia correr os próximos 65km, meio torta, ainda com dor, mas, pelo menos, eu não desistiria da prova.

Em se tratando de corpo humano, nem tudo funciona como queremos. Às vezes eu acabava jogando peso na perna machucada, dobrando o joelho e doía muito. Mesmo eu travando a perna na sequência, a dor não passava na hora. E aí comecei a entoar um mantra para me acalmar: “a mente controla o corpo“. Eu repetia sem parar. Não sei se era o mantra ou o corpo, mas a verdade é que, em muitos momentos, eu esquecia da lesão e não sentia nada.

Quando completei 20km, eu comecei a me sentir muito mal do estômago. Era visível que ele estava estufado, pois dava para ver o inchaço pela blusa. Minha barriga começou a inflar e nada digeria. Como minha nutricionista havia dado 2 opções de suplemento com a mesma equivalência de carboidratos (2 bisnaguinhas e meia ou 1 carbogel manipulado de acordo com a minha composição corporal), eu decidi evitar a bisnaguinha e tomar o gel. Assim, me manteria suplementada a cada meia hora como planejado, mas conseguiria diminuir o inchaço até que tudo comido fosse digerido.

Segui tomando o gel, mas, mesmo assim, a barriga e o desconforto só aumentavam. Eu percebia que a comida estava na garganta, sabe? Não sei se essa indigestão foi fruto de nervosismo ou do Imosec que tomei antes da prova, ou dos dois juntos. Só sei que meu corpo não digeria mais nada.

Quando completei 30km, a minha equipe de apoio não me encontrou no PC. Isso significava correr até o km42 sem água e com apenas 1 carbogel extra, acompanhada de indigestão e dores terríveis no joelho. Comecei a pedir “doações” pelo caminho, e ganhei 1 gatorade e 1 pouco de água. Ao invés de me desesperar, naquele momento, enxerguei a situação como algo positivo. Pensei: “quando chegar no próximo PC, terei completado 1 maratona, com muita dor, muito mal estar e mal suplementada. Isso só vai me fortalecer ainda mais”.

Eram 14km de areia apenas. Eu, as dores e nada. A certa altura fui tomar o gatorade e vomitei. Tomava água e vomitava. Nada parava dentro de mim. Então comecei a pensar como contornar aquela situação. Lembrei da minha nutricionista dizendo que, mais do que seguir à risca o planejamento alimentar, eu tinha que escutar o meu corpo. Portanto, ao invés de me alimentar a cada 30 minutos como planejado, eu decidi me alimentar a cada 45 minutos, para tentar dar mais tempo à digestão.

A sorte foi que o Heitor, que estava fazendo apoio para o Ricardo de bicicleta, pode voltar e me dar um remédio para indigestão e água. Aquilo aliviou um pouco, mas longe de estabelecer o status quo.

Nos momentos de maior desespero, eu entoava meu mantra e lembrava da razão daquilo tudo. Mentalizava que o meu propósito era muito maior que a minha dor, e que havia pessoas maravilhosas (pacientes, amigos e familiares) me esperando na linha de chegada. Era simplesmente inaceitável me render àquela adversidade. Eu seguia a cada passo me fortalecendo mais.

A minha playlist era a mesma dos treinos. Então, ao ouvir as músicas, buscava resgatar tudo que havia passado no último ano me preparando para o desafio, o que aquele gesto representava para os pacientes, quantas pessoas maravilhosas foram colocadas na minha vida, quantas mais se engajaram com o projeto. Lembrava da minha mãe, sempre guerreira, dizendo que ia vencer a Hipertensão Pulmonar, pois ela era muito maior que o pulmão. Imaginava o que ela sentiria ao me ver cruzando a linha de chegada, quão orgulhosa ela estaria se pudesse presenciar isso.

Pouco a pouco, ia avançando, sozinha, refletindo… O mar me traz muita reflexão. Quando minha mãe morreu, eu e meu pai fomos para o RJ passar uns dias, e eu ficava horas na praia, sozinha, olhando para o mar. Como a prova tem muitos trechos à beira mar, foram várias horas refletindo sobre a vida e o propósito daquela corrida.

A cada km, o mal estar físico só aumentava. No km50, eu estava à beira de um colapso: muito inchada, sem conseguir me alimentar, com dores em tudo. Eu não percebia que a minha saúde estava debilitada. Realmente não passou pela minha cabeça que a minha vida poderia estar em risco.

Acho que o fato de não admitir desistir me cegou. Eu sempre dizia que só pararia de correr se morresse. E levei à risca na prova. O meu pensamento sempre foi que aquilo tudo era para honrar os pacientes e passar coragem a eles. Eles não podem desistir, pois a desistência significa a morte. Eu, portanto, não poderia me dar a chance de parar. Eu tinha que vencer os meus limites, assim como os pacientes. Eu sabia que cruzar a linha os faria se sentir amados, representados e daria a eles um novo fôlego para continuar lutando diariamente. Eu precisava proporcionar isso a eles. Fazê-los entender que estou junto nesta luta, de corpo e alma.

Apesar de eu não estar correndo tão rápida, me encontrava muito ofegante. A Marina entrou para ser minha pacer nos últimos 25km e foi me acalmando. A entrada dela foi perfeita, pois pude fazer a maior parte da prova sozinha, com minhas divagações sobre a vida, mas, à beira de um colapso, pude delegar a alguém a preocupação com a prova. Lembro de falar para ela que ditasse o ritmo, e pedi apenas que me entregasse a tempo.

Assim ela foi dando as coordenadas de quando correr, quando caminhar etc. Ela foi me incentivando, sendo solícita aos meus pedidos de água, comida… No km65, eu praticamente não conseguia mais falar. Estalava os dedos quando queria chamá-la e fazia o sinal do que queria: água, comida, baixar o ritmo etc. A dor era tanta que a minha vontade era cair deitada no chão. As articulações todas doíam, especialmente o quadril, pelo fato de ter corrido toda desequilibrada para minimizar a dor no joelho. A pele, de tão inchada (terminei a prova com uns 7kg a mais) parecia que ia rasgar, de tanto que sentia esticada. Era como se o meu corpo não coubesse na minha pele. TUDO doía intensamente, do queixo aos pés, encharcados de lama e chuva.

Diante de tanto sofrimento, eu apenas queria minimizar o tempo para tudo acabar. Mas eu simplesmente não conseguia mais correr. Os joelhos não dobravam, os braços e mãos estavam inchados demais e eu não conseguia fazer o movimento para correr, e os meus pensamentos estavam todos desordenados. Às vezes eu chorava sem perceber, às vezes me perdia nas contas de quantos km faltavam. A sensação que eu tinha era de estar sendo levada, de alguma forma, sozinha, em uma praia cinzenta, chuvosa, sem enxergar o pórtico da chegada. Eu apenas ia, na esperança de, a cada passo, poder enxergar a razão de tudo aquilo: os pacientes.

O infinito da praia era desesperador. As dores eram horríveis. Naquele ponto, já não era mais o joelho ou estômago. Era um mal estar geral, uma rigidez no corpo que, mais tarde, no hospital, descobri se tratar de algo muito sério e letal chamado rabdomiólise. Foi doloroso e inexplicavelmente transformador. Eu não pensei em desistir, mas desejava, a cada segundo, poder enxergar o pórtico de chegada, para poder abraçar todos.

E, assim, vencendo todas as barreiras, ao lado da Marina, que seguia carregando minha água, minha comida e me transmitindo coragem o tempo todo, avistei, de longe, uma pessoa acenando para nós. Era a Cris Uehara, sorridente, feliz. Apesar de eu estar quase inconsciente naquele momento, lembro exatamente das palavras dela: tem um monte de gente te esperando lá. Foi o que bastou para eu entender que eu estava quase “lá”, no fim da jornada, na cereja do bolo, no abraço e no sorriso que tanto sonhei.

Poucos minutos depois, vi o Ricardo, meus amigos e a equipe de apoio, que vieram filmando e correndo comigo. Olhei para o relógio da prova e li “10 horas, 50 e poucos minutos”. Nós tínhamos 11 horas para terminar e chegamos na risca. Foi um alívio.

Quando passei pelo pórtico, desabei a chorar, apoiada na grade. Eu nem tinha visto que os pacientes estavam mais à frente na área coberta. Eu só chorava,acabada, com muita dor, física e emocional. Quando levantei minha cabeça, ouvi uma multidão gritando “Paula, Paula, Paula”. Até hoje choro de lembrar. Lá estavam eles, a razão de tudo, a minha força nos 75km, os pacientes e familiares, que saíram de diversos locais do Brasil, apenas para nos prestigiar. Faltam palavras para verbalizar o que eu senti. A rigidez do meu corpo não me deixava mais dar um passo, a fortaleza da minha mente já havia desmoronado, e eu chorava sem parar. Cada um deles se aproximou para me dar um abraço e agradecer.

Sem dúvida, uma das emoções mais fortes que já senti. A hipertensão pulmonar levou a minha mãe para sempre, mas me trouxe muitas pessoas maravilhosas. Posso dizer que me senti inteiramente amada naquele momento, e só tenho a agradecer por ter tantas pessoas ao meu lado. Não foram apenas pacientes, mas familiares, amigos e pessoas que nem sabiam o que era hipertensão pulmonar até conhecerem o Team PHenomenal Hope Brasil. Não há nada mais incrível do que sentir a força da união e do amor. É transformador, acredite.